AS CRIANÇAS NA TRILOGIA

0
8

As crianças são pessoas em formação, que exigem toda atenção e cuidados, orientação e ensinamentos para que possam se desenvolver plenamente, possibilitando às futuras gerações serem melhores do que as que se vão. A experiência humana, passada de pai para filho, de geração a geração, precisa ser depurada, melhorada, enriquecida, a fim de que a humanidade possa, enfim, se tornar melhor a cada dia.

O mundo em que vivemos, cada dia mais individualista e preconceituoso, tem se tornado perigoso para as crianças. Se não forem devidamente protegidas, elas acabam se tornando alvos fáceis para pessoas violentas, egoístas, maldosas, pessoas contaminadas e desajustadas, que, havendo oportunidade, atacam os mais indefesos com crueldade.

De modo geral, governos, organismos internacionais, organizações não governamentais e a sociedade civil têm se empenhado em promover segurança e bem-estar a esses indivíduos mais vulneráveis da população. Infelizmente, não se verifica essa preocupação ou medidas eficazes nesse sentido em todos os lugares. Por isso, as crianças continuam a ser oprimidas e a sofrer com as maiores mazelas produzidas pela humanidade, como as guerras, a fome, a violência e outros tipos de mal.

Em A Honra do Clã algumas personagens crianças são apresentadas ao leitor. De diferentes origens e costumes, elas trazem uma mensagem que precisa ser multiplicada. É preciso cuidar das crianças. É preciso amá-las. É preciso protegê-las.

A leitura da trilogia vai lhe permitir conhecer Murmushi Alheri, um garoto de personalidade cativante, que desempenha um papel muito importante, especialmente em determinado momento da história. Outra personagem criança é Amarya, uma menina sulista que vai lhe conquistar com sua presença fundamental para trazer à reflexão alguns temas complexos e urgentes na sociedade atual. A natureza alegre, a inocência de Amarya certamente vão lhe fazer querer ir mais fundo em questões que talvez passassem despercebidas em meio a tanta aventura.

Imperdível! Junte-se ao Clã!

Publique seu comentário

Leia também